Brincadeira de criança ou para quê tantos brinquedos?

Desde que Isabela e Laura eram bebezinhas, comecei a conviver com a quantidade crescente de brinquedos em casa.

Depois do aniversário de um aninho, houve uma reprodução em série desses brinquedos, que apareceram em todos os tipos, cores, tamanhos e espécies. Seguiu-se a mesma linha no aniversário de dois anos. E, a ver essa tendência anual se repetindo, minha casa está bem próxima de se tornar uma sucursal da Loja da Estrela (ai, que antiga!rs O negócio hoje é Fischer Price).

Percebo que as meninas, como toda criança novinha, mais se interessam pelas embalagens e afins do que pelo conteúdo dos presentes propriamente ditos. Os brinquedos novos são sucesso por alguns dias (ou horas) e depois acabam relegados ao esquecimento absoluto. Eu que, com aquele pesar tremendo no coração, vez ou outra vou lá desenterrar algum brinquedo ignorado e propor uma brincadeira inclusiva com o pobre.

Claro que elas escolhem seus brinquedos preferidos e não abrem mão deles todo santo dia. Sendo bastante otimista, estes representam 10% do total de brinquedos existentes em casa. O que fazer com os outros 90%? Eis a questão.

Lá em casa, tenho que fazer faxinas frequentes na brinquedolândia para tirar de circulação aqueles quebrados, desprezados ou ultrapassados. Cada um tem um fim diferente: doação, lixo, venda, empréstimo…

As vezes tenho dificuldade nessa missão porque me apego a alguns brinquedos mais do que Isabela ou Laura (é ridículo, eu sei… todos somos um pouco ridículos.rs).

Esse contexto todo leva a uma reflexão: afinal, para que afundar as crianças em um mar tão grande de brinquedos?

Elas visivelmente não têm capacidade de brincar e explorar todos eles. Esse excesso, na realidade, dispersa a atenção e dificulta o foco dos pequenos.

Verdade seja dita: crianças preferem brincadeira a brinquedo. Vejo todos os dias que as meninas preferem muito mais quando interagimos e exploramos brincadeiras e descobertas juntas, seja usando saco plástico e barbante, do que quando estão com a última geração de um brinquedo na mão. Este logo perde a graça e lá vem a criança para a barra da saia solicitar atenção (e diversão).

Pensemos nisso. Mais vale investir tempo, mesmo curto, em brincadeiras genuínas com os filhos do que em mais um brinquedo para a pilha. No fundo, é esse tempo que ficará na memória e formará as lembranças da infância feliz que tanto sonhamos para eles.

Por outro lado, não dá para ignorar que as crianças precisam de brinquedos. Nesse quesito, menos é mais. Investir nos itens certos para cada faixa etária pode garantir tempo saudável e útil de entretenimento para os pequenos. Ah, e sem esse lance de brinquedo de menina e brinquedo de menino. Brinquedo é brinquedo e ponto. Deixemos aos pequenos decidir como explorar seu imaginário e criatividade com os brinquedos disponíveis, sem preconceitos ou restrições sem sentido.

Brinquedo bom é aquele que não está pronto e acabado, mas que oferece a criança um leque de opções de construção de brincadeiras.

Para otimizar e terminar nosso momento filosófico sobre brinquedos, deixo algumas indicações interessantes de brinquedos por idade do Tempo Junto que podem inspirar na organização da brinquedoteca em casa:

De 1 a 2 anos: brinquedos de empurrar, carrinhos, blocos de construção, bate-estacas, brinquedos de desmontar (grandes), degraus e pequenos escorregadores, túneis, carro ou bicicleta sem pedal

De 2 a 4 anos: livros de pano com figuras, telefone, panelinhas e utensílios de cozinha, objetos domésticos, bonecas, máscaras, chapéus, fantoches, fantasias, capas, bichinhos de pelúcia, massa para modelar, quebra-cabeças simples, tambor, pandeiro, corneta, carros, caminhões, trenzinhos e aviões, pianinho e xilofone, cabanas e casinhas, balde e pazinha, triciclo, material para bolha de sabão.

De 4 a 7 anos: blocos de construção, material para pintura e desenho, jogos (dominó, loto, damas), jogos de circuito, carrinho de boneca, livros.

De 7 a 12 anos: bolas e raquetes, boliche, futebol de botão, peteca, jogos (montar, construção, perguntas e respostas, damas, xadrez), mini laboratórios, quebra-cabeças difíceis, ferramentas para construção de brinquedos.

Brinquedos por idade

 

2 comentários sobre “Brincadeira de criança ou para quê tantos brinquedos?

Deixe uma resposta para Pri Rabelo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s